Ensino/Cursos » Mestrado

Filosofia da Linguagem e da Comunicação

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias - Departamento de Ciências da Comunicação, Artes e Tecnologias da Informação

 2º Ciclo em Comunicação nas Organizações 

Unidade curricular: CCC2202 área científica: Ciências da Comunicação

(2º semestre 2006/2007- 60 horas)

Competências: 
Este seminário pretende capacitar os alunos:
a) para a realização científica em ciências da comunicação, oferecendo-lhes a indispensável formação metodológica e técnica. Pretende-se que os comunicadores — sejam quais forem as suas futuras áreas de intervenção — estejam preparados para identificar problemas, formular projectos de investigação e percorrer as várias etapas metodológicas que conduzam à compreensão, explicação e descrição do fenómeno comunicacional, bem como, estejam capacitados a, formalmente, elaborar uma dissertação de Mestrado;
b) para reconhecer os principais conceitos que na área da filosofia da linguagem e da comunicação de sistemas se estabeleceram até à presente data.. Interpretar textos, imagens enquanto dispositivos essenciais da comunicação moderna. 

Programa:
Introdução: A natureza de uma pós-graduação 

1- Iniciação à investigação
1.1. Aspectos psicológicos (entusiasmo;isolamento; o interesse,etc.)
1.2. Aspectos práticos (gestão do tempo, calendarização, fases do processo; exequibilidade; etc)
1.3. Objectivos a curto e longo prazo

2- Como fazer investigação
2.1.Características do trabalho de investigação
2.2. Recolha de informações – «o quê?»
2.3. Investigação – «o porquê?»
2.4. Características de uma boa investigação
2.5. Tipos básicos de investigação (exploração, Experimentação e resolução de problemas)
2.6. O papel do(s) orientador(es) e do orientando

3- O plano de trabalho
3.1. O índice como hipótese de trabalho
3.2. Tipos de fichas e apontamentos: Para que servem?
3.3. Como estruturar um plano geral de trabalho?
3.4. Os relatórios e as recensões: Porquê? Suas distinções.

I) A noção de «Linguagem» e de «Comunicação»: apresentação conceptual

Introdução: O que é isso de uma Filosofia da Linguagem e da Comunicação?

1. Comunicação animal vs comunicação humana
2. Aspectos da Linguagem e «tradução» (Steiner): A Palavra contra o objecto
3. O movimento hermenêutico

1.Comunicação na Era da Informação: Tendências e Problemáticas
a) Informação vs Comunicação
b) A Comunicação na Era da Informação: Enunciado dos Principais Paradigmas
c) Informação vs Conhecimento

2 Do Paradigma da Voz e da Escrita para o da Imagem: «Gramofone, Filme e Máquina de escrever» (Kittler)
a) «A escrita reestrutura a Consciência» (Walter Ong) e é uma tecnologia.
b) Diacronia do Discurso e do Texto na Cultura Ocidental
c) Os meios tradicionais perante os novos meios digitais

II) Alguns Paradigmas hermenêuticos e comunicacionais

1) Paul Ricouer e o «Conflito das Interpretações»
2) Foucault e a «Ordem do Discurso»: as «Palavras e as Coisas» e o mimético
3)Jürgen Habermas: «Espaço público» e «acção comunicativa» (racionalidade e instrumentalidade; acção e função; linguagem, agir, mundo; Sistema e mundo da vida
4) Niklas Luhmann:
a) O improvável na e da comunicação e Comunicação e acção
b) Sociedade e interacção

III) A Filosofia da Linguagem e da Comunicação na Era Digital

1) Hiperlinguagem vs Hipertexto: Um novo conceito de «textualidade»
2) Percepção «textual» vs percepção «imagética» (do novo regime de «texto» para o novo regime da «imagem»)

Bibliografia
A)
AA.VV., «L’Écriture des sciences de l’homme», in Revue Communications, nº 58, Paris, Seuil
AZEVEDO, Carlos A. Moreira e Ana Gonçalves de Azevedo, Metodologia Científica: Contributos práticos para a elaboração de trabalhos académicos, Porto, C. Azevedo, 1994
BARDIN, Laurence, Análise de Conteúdo, Lisboa, Edições 70, 2000
CEIA, Carlos, Normas para apresentação de trabalhos científicos, Lisboa, Editorial Presença, 1995
ECO, Umberto, Como se faz uma tese em Ciências Humanas, 4ª edição, Lisboa, Editorial Presença, 1988
FESTINGER, L.; KATZ, D., Les méthodes de recherche dans les sciences sociales, 2 vols, Paris, PUF, 1959
FRADA, João José Cúcio, Guia prático para elaboração e apresentação de trabalhos científicos, 2ª edição, Lisboa, Edições Cosmos, 1991
FRAGATA, Júlio, Noções de Metodologia para a elaboração de um trabalho científico, 3ª edição, Porto, Livraria Tavares Martins, 1980
GHIGLIONE, R.; MATALON, B., O inquérito—Teoria e prática, Oeiras, Ed. Celta, 1995
HAVELOCK, E., A musa aprende a escrever, Lisboa, Gradiva, 1996
NP-405, Norma portuguesa definitiva: Referências bibliográficas, Direcção Geral da Qualidade, 1966
QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L., Manual de Investigação em Ciências Sociais, Lisboa, Gradiva, 1992
SILVA, Augusto Santos e PINTO, José Madureira (org.), Metodologia das Ciências Sociais,Porto, Edições Afrontamento, 11ª edição, 2001
SUSSAMS, John E., Como fazer um relatório, 2ª edição (1ª edição 1987), Lisboa, Editorial Presença, 1990
TIMBAL-DUCLAUX, L., Savoir écrire dans l’entreprise, Paris, Ed. Retz, 1992 (existe tradução portuguesa)

B)

AARSETH, Espen (2005), Cibertexto: Perspectivas sobre a literature ergódica, tradução de Maria Leonor Telles e de José Mourão, revisão de Luís Filipe B. Teixeira, Lisboa, Pedra de Roseta, (orig. 1997)
AARSETH, Espen (2004), «Genre trouble:Narrativism and the art of simulation», in Noah Wardrip-Fruin and Pat Harrigan; First Person:New media as story, performance, and game, Cambridge, Massachusetts, London, England, MIT Press, pp. 45-54
AARSETH, Espen (1998), «Aporia and epiphany in Doom and The Speaking Clock:Temporality in ergodic art», in Marie-Laure Ryan (ed.), Cyberspace Textuality:Computer technology and literary theory, Bloomington University of Indian Press, pp. 31-41
AARSETH, Espen (1994), «Nonlinearity and literary theory», in George Landow (ed.), Hyper/Text/Theory, Baltimore, Johns Hopkins University Press
AA.VV (November 2002), Organization:The interdisciplinary journal of organization, theory and society, vol. 9, number 4, SAGE Publications [nº especial sobre «Foucault, Management and History»]
BARTHES, Roland (s.d.), Mitologias, Lisboa, Edições 70,
BARTHES, Roland (1984), O óbvio e o obtuso, Lisboa, Edições 70, [cap. 1. «A escrita do visível», pp. 13-198]
BARTHES, Roland(1984), O rumor da língua, Lisboa, Edições 70, [cap. II «Da obra ao texto», pp. 47-84]
BARTHES, Roland  (1973), O prazer do texto, Lisboa, Edições 70
BAUDRILLARD, Jean (1991), Simulacros e simulação, Lisboa, Relógio d’Água,
BENJAMIN, Walter (1992), «A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica». In Sobre Arte, técnica, linguagem e política. Lisboa, Relógio d'Água
BRETON, Philippe, PROULX, Serge (1997), A Explosão da Comunicação, Bizâncio
BRETON, Philippe (1997), À imagem do Homem: Do Golem às criaturas virtuais, Lisboa, Inst. Piaget
BOLTER, Jay David (1984), Turing’s Man: Western Culture in the computer age, North Carolina, The University of North Carolina Press
BOLTER, Jay David (1991),, Writing Space: The Computer, Hypertext, and the History of Writing. Hillsdale, NJ, Lawrence Erlbaum
BORGES, Jorge Luís (1989), Ficções, tradução de Carlos Nejas, Lisboa, Livros do Brasil, s.d. (reed. In Obras Completas, vol. I (1923-1949), trad. José Colaço Barreiros, Lisboa, Editorial Teorema, pp. 439-550)
CALVINO, Ítalo (1977), O castelo dos destinos cruzados, tradução de Gaetan Martins de Oliveira, Lisboa, Bertrand (sobretudo a «Nota» final, pp. 119-126)
CALVINO, Ítalo (1994),Seis propostas para o próximo milénio, Lisboa, Teorema, 2ª edição
CALVINO, Ítalo (s.d.),Se numa noite de Inverno um viajante, 3ª edição, Lisboa, Vega, s.d.
DEBRAY, Régis (2004), Introdução à mediologia. Lisboa, Livros Horizonte, («O tempo da transmissão.O ponto de vista», pp,11-34;«A eficácia simbólica.O trajecto:do médium à mediação», pp.89-110)
DELANY, Paul & LANDOW, George (1991), Hipermedia and Literary studies, Cambridge, MIT Press
DELEUZE, G./GUATTARI (1980), Mille Plateaux: Capitalisme et schizophénie («Introduction»), Paris,   Les Éditions Minuit,pp. 9-37
DELEUZE, G. (1996), «O que é um dispositivo?», in O mistério de Ariana, Lisboa, Vega, pp. 83-96
DERRIDA, Jacques (1967), De la grammatologie, Paris, Éditions Minuit
DOOB, Penelope Reed (1990), The idea of the labyrinth from classical Antiquity trough the Middle ages, Ithaca and London, Cornell University Press
ECO, Umberto (1995), Seis passeios nos bosques da ficção, Lisboa, Difel
FERRY, Jean-Marc (2000;orig. 1994), Filosofia da Comunicação, Lisboa, Fenda
FOUCAULT, Michel (1992), O que é um autor?, Lisboa, Vega
FOUCAULT, Michel (1989), L’ordre et le discours (leçon inaugurale au Collège de France prononcée le 2 décembre 1970), Paris, Gallimard [trad. portuguesa, Lisboa, Relógio d'Água, 1997]
FOUCAULT, Michel (1988),, As palavras e as coisas, Lisboa, Edições 70    [«As quatro similitudes», pp. 73-85; «A escrita das coisas», pp. 90-99; «Crítica e comentário», pp. 131-145]
HABERMAS, Jürgen (1978), L’Espace Publique: archéologie de la publicité comme dimension constitutive de la société bourgeoise. Paris: Payot
HABERMAS, Jürgen (1987), Técnica e Ciência como Ideologia. Lisboa, Ed. 70
HABERMAS, Jürgen (2003), Teoría de la acción comunicativa I. Racionalidad de la acción y racionalización social. Madrid, Taurus,
HASSARD, John and KELEMEN, Mihaela (May 2002), «Production and Consuption in organizational knowledge: The case of the ‘paradigms debate’», in Organization:The interdisciplinary journal of organization theory and society, vol. 9, number 2, Sage Publications, pp. 331-358
HASSARD, John (1988), «Overcoming hermeticism in organization theory: An alternative to paradigm incommensurability», in Human relations, vol. 41, number 3, pp. 247-259
HAYLES, Katherine (999), «Artificial life and literary culture», in Marie-Laure Ryan (ed.), Cyberspace Textuality:Computer technology and literary theory, Bloomington University of Indian Press, pp. 205-223
INNS, Dawn (May 2002), «Metaphor in the literature of Organizational Analysis: A preliminary taxonomy and a glimpse at a Humanities-based perspective», in Organization:The interdisciplinary journal of organization theory and society, vol. 9, number 2, Sage Publications, pp. 305-330
KITTLER, Friedrich A. (1999), Gramophone, Film, Typewriter. Stanford, Stanford University Press («Introduction», pp. 1-19)
LANDOW, George P. (1994), Hyper/Text/Theory, edited by G. Landow, Baltimore, Johns Hopkins University Press, 1994
LANDOW, George P. (1992), Hypertext: The Convergence of Contemporary Critical Theory and Technology, London, Johns Hopkins UP
LAUREL, Brenda (1993), Computer as theatre, 2ª edição aumentada, Menlo Park (California), Addison-Wesley
LÉVY, Pierre (2001), O que é o virtual?, Coimbra, Quarteto
LUHMANN, Nilkas (1993), A Improbabilidade da Comunicação, Lisboa, Vega
MANOVICH, Lev (2000), «What is new media?», in The Language of New Media. Cambridge/Mass., MIT Press, pp.18-48
McLUHAN, Marshall (1964), Understanding Media. New York, McGraw-Hill
McLUHAN, Marshall (1962), The Gutenberg Galaxy: The Making of Typographic Man. Toronto, University of Toronto Press
MIRANDA, José A. Bragança de (2002), «Para uma crítica das ligações técnicas» in MIRANDA, José A. Bragança de,CRUZ,Maria Teresa (org.), Crítica das ligações na era da técnica, Tropismos, Lisboa, pp. 259-277
MOULTHROP, Stuart (1994), «Rhizome and resistence: Hypertext and the dreams of a new culture», in George Landow (ed.), Hyper/Text/Theory, Baltimore, The John Hopkins University Press, 1994, pp. 299-319.
MOURÃO, José Augusto (2001), Ficção interactiva: Para uma poética do hipertexto, Lisboa, col. «Estudos de Comunicação, Cultura e Tecnologias», Edições Universitárias Lusófonas
MURRAY, Janet H. (1997), Hamlet on the holodeck: The future of narrative in cyberspace, NY, The Free Press
NELSON, T.H. (1981), Literary Machines, Swarthmore, PA, publicação de autor
PAPERT , Seymour (1997), A família em rede: Ultrapassando a barreira digital entre gerações, Lisboa, Relógio d’Água
POE, Edgar Allan (1993), «A filosofia da composição», in Edgar Allan Poe,Mallarmé,Pessoa, Annabel Lee, Ulalume & O Corvo, tradução dos poemas por Stéphane Mallarmé e Fernando Pessoa, tradução das prosas por Carlos Valente, Lisboa, Hiena, pp. 73-91
RICOUER, Paul, (1965), De L’Interprétation. Essai sur Freud, Paris, Seuil
RICOUER, Paul (1981), Hermeneutic and Human Sciences, John Thomson (org. e trad.), Cambridge, Cambridge Univ. Press
RICOUER, Paul(s.d.), Do Texto à Acção: Ensaios de Hermenêutica II, Porto, Rés, s.d. [«Explicar e Compreender», pp. 163-183; «O Modelo do Texto: A Acção Sensata Considerada como um Texto», pp. 185-212].
RICOUER, Pau (1987), Teoria da Interpretação, Lisboa, Edições 70  [«Explicação e Compreensão», pp. 83-99].
RONELL, Avital (1993; 1ª ed. 1986), The telephone book: Technology, Schizophenia, Electric speech, Lincoln and London, University of Nebraska Press,
RONELL, Avital (1993), «Our narcotic modernity», in Verena A. Conley (org.), Rethinking technologies, Minneapolis, University of Minnesota Press, pp. 59-73.
ROSENSTIEHL, Pierre (1988), «Rede», «Labirinto» e «Combinatória» in Enciclopédia Einaudi, nº 13 «Lógica/Combinatória», Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988, respectivamente, pp. 228-246, 247-273 e 274-335
SFEZ, Lucien (s.d.:orig 1991), Comunicação, Lisboa, Instituto Piaget
SFEZ, Lucien (s.d.:orig 1990), Crítica da Comunicação, Lisboa, Instituto Piaget
STEINER, George (2002), Depois de Babel: Aspectos da linguagem e tradução, Lisboa, Relógio d’Água [sobretudo: cap. 1: «Compreender é traduzir», pp.25-77; e cap. V: «O movimento hermenêutico», pp. 335-465]
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2006), «(Composição) Narrativa vs Jogabilidade: Uma discussão (não) radical» (texto-base da conferência proferida na mesa sobre «Composição não-linear e hipernarrativa» (CCB-25 Maio 2006) ¾ Congresso Internacional sobre a «Tendência da Cultura das redes em Portugal») ( a publicar)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2004), Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2002),«Figur@ções maquínicas da Escrita 2.0: Alfabetos, ars combinatoria e hipertexto (texto-base da comunicação ao ICNC2001-Congresso Internacional sobre as Redes, Comunicação e Linguagens, orgão do CECL-Centro de Estudos Comunicação e Linguagens, número especial sobre este Congresso, 2002, pp. 401-408 (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta-Edições e Comunicação, Lda, 2004) (www.luisfilipeteixeira.com)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2002), Obras de António Mora, de Fernando Pessoa: Edição e Estudo, edição crítica dos textos de António Mora-Fernando Pessoa transcritos, organizados e anotados por Luís Filipe B. Teixeira, Obras Completas de Fernando Pessoa, vol. VI, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, col. «Série Maior», 2002 [«Introdução»](www.luisfilipeteixeira.com)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2001), «Figur@ções maquínicas da Escrita 1.0: Em torno da Palavra digital e da Escrita Topográfica» (texto-‑base da comunicação ao I Congresso Ibérico de Ciências da Comunicação, Revista Caleidoscópio, revista do Departamento de Ciências da Comunicação e da Informação da ULHT-Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Edições Lusófonas, pp.43-57 (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta-Edições e Comunicação, Lda, 2004) (www.luisfilipeteixeira.com)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (1999),«Virtualidade e Heteronímia: As viagens pessoanas de Alice», in Revista de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, volume I, nº 2, 2º semestre de 1999, pp. 14-18 (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta-Edições e Comunicação, Lda, 2004) (www.luisfilipeteixeira.com)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (1999), «Edição Crítica, hipertexto e biblioteca electrónica: Dêem um modem a Fernando Pessoa», in Imagens e Reflexões: Actas da II semana internacional do Audiovisual e Multimédia, Lisboa, Edições Lusófonas, colecção «Estudos de Comunicação, Cultura e Tecnologia, nº 4, 1999, pp. 106-110 (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta, 2004) (www.luisfilipeteixeira.com)
TEIXEIRA, Luís Filipe B. (1997), «Filologia vs Filosofia», in Pensar Pessoa: A dimensão filosófica e hermética da obra de Fernando Pessoa, Porto, col. «O mocho de papel», Lello & Irmão, pp.177-193.
TURKLE, Sherry, (1989) O segundo Eu: Os computadores e o espírito humano, trad. de Manuela Madureira, Lisboa, Presença (partes)
TURKLE, Sherry(1996), Life on screen: Identity in the age of the Internet, London, Weidenfeld & Nicholson, (trad. port. Relógio d'Água, 1998) (partes)
VAARA, Eero (2002), «On the discursive construction of success/failure in narratives of post-merger integration», in Organization studies, nº 23, issue 2, Berlin/New York, Publishers Walter de Gruyter
WOOLLEY, Benjamin (1992), Mundos virtuais: Uma viagem na hipo e hiper-realidade, tradução de Maria A. N. Freire, Lisboa, Editorial Caminho,   
ZIMMERMAN, Eric, (2004), «Narrative, Interactivity, Play and games:Four naughty concepts in need discipline», in Noah Wardrip-Fruin and Pat Harrigan; First Person:New media as story, performance, and game, Cambridge, Massachusetts, London, England, MIT Press, pp. 154-164

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License