Ensino/Cursos » Mestrado

Métodos e Técnicas de Pesquisa e de Investigação

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Escola de Comunicação, Arquitectura, Artes e Tecnologias da Informação

2º Ciclo em Comunicação Alternativa e Tecnologias de Apoio

(1º Semestre - 30 horas)

Sinopse

Este seminário pretende capacitar os alunos para a realização científica em ciências da comunicação, oferecendo-lhes a indispensável formação metodológica e técnica. Pretende-se que os comunicadores — sejam quais forem as suas futuras áreas de intervenção — estejam preparados para identificar problemas, formular projectos de investigação e percorrer as várias etapas metodológicas que conduzam à compreensão, explicação e descrição do fenómeno comunicacional, bem como, estejam capacitados a, formalmente, elaborar uma dissertação de Mestrado.

Introdução: A natureza de uma pós-graduação

1- Iniciação à investigação

1.1. Aspectos psicológicos (entusiasmo;isolamento; o interesse,etc.)
1.2. Aspectos práticos (gestão do tempo, calendarização, fases do processo; exequibilidade; etc)
1.3. Objectivos a curto e longo prazo

2- Como fazer investigação

2.1.Características do trabalho de investigação
2.2. Recolha de informações – «o quê?»
2.3. Investigação – «o porquê?»
2.4. Características de uma boa investigação
2.5. Tipos básicos de investigação (exploração, Experimentação e resolução de problemas)
2.6. O papel do(s) orientador(es) e do orientando

3- A organização formal de uma dissertação de Mestrado

3.1. Teoria de fundo
3.2. Teoria focal
3.3. Teoria dos dados
3.4. O conceito de originalidade e de humildade científica

4-A procura do material

4.1. A acessibilidade das fontes
4.2. Fontes de Informação
4.2.1.Leituras, entrevistas e pré-inquéritos exploratórios: A compreensão e o enquadramento do campo teórico-prático de estudos.
4.2.2.Formulação de hipóteses, construção de variáveis e indicadores, correlação de variáveis.
4.2.3. A pesquisa de campo: Fontes, entrevistas, inquéritos, observações directas e/ou participantes, análises de casos, histórias de vida.
4.2.4.Constituição de tipos de amostras.
4.2.5.Avaliação e validação de resultados: Análise de conteúdo e análise estatística.
4.3. A investigação bibliográfica
4.4. Materiais de suporte à redacção final e à argumentação

5- O plano de trabalho

5.1. O índice como hipótese de trabalho
5.2. Tipos de fichas e apontamentos: Para que servem?
5.3. Como estruturar um plano geral de trabalho?
5.4. Os relatórios e as recensões: Porquê? Suas distinções.

6- A redacção

6.2. Como se escreve (a natureza do discurso científico)
6.3. As citações
6.3.1. «Quando?» e «como?» (se cita)
6.3.2. Citação, paráfrase e plágio
6.4. As notas de rodapé (para que servem?Como utilizá-las?)
6.5. Bibliografia e referências (os tipos e modos de organização/apresentação)
6.6. Os índices (os tipos e modos de organização/apresentação)
6.7. A estrutura formal de uma dissertação de Mestrado (algumas normas básicas de apresentação da dissertação final)

7- Conclusões

BIBLIOGRAFIA

AA.VV., «L’Écriture des sciences de l’homme», in Revue Communications, nº 58, Paris, Seuil

AA.VV., «Un regard d’ethnographe dans l’entreprise», in Révue Française de Gestion, nº 58

AZEVEDO, Carlos A. Moreira e Ana Gonçalves de Azevedo, Metodologia Científica: Contributos préticos para a elaboração de trabalhos académicos, Porto, C. Azevedo, 1994

BABBIE, Earl, “Plagiarism”, [em linha], Earl Babbie’s Homepage, 2005, p. 10, actual. site 2005, [Consult. 14 Set. 05]

BARDIN, Laurence, Análise de Conteúdo, Lisboa, Edições 70, 2000

BOUDON, R. Métodos em Sociologia, Lisboa, Ed. Rolim, s/d

CEIA, Carlos, Normas para apresentação de trabalhos científicos, Lisboa, Editorial Presença, 1995

EGAN, K., O uso da narrativa como técnica de ensino, Lisboa, D. Quixote, 1994

ECO, Umberto, Como se faz uma tese em Ciências Humanas, 4ª edição, Lisboa, Editorial Presença, 1988

FRADA, João José Cúcio, Guia prático para elaboração e apresentação de trabalhos científicos, 2ª edição, Lisboa, Edições Cosmos, 1991

FRAGATA, Júlio, Noções de Metodologia para a elaboração de um trabalho científico, 3ª edição, Porto, Livraria Tavares Martins, 1980

GHIGLIONE, R.; MATALON, B., O inquérito—Teoria e prática, Oeiras, Ed. Celta, 1995

HAVELOCK, E., A musa aprende a escrever, Lisboa, Gradiva, 1996

MILLS, C.W., L’imagination sociologique, Paris, Maspero, 1969 (existe tradução Brasileira)

Normas da APA

NP-405, Norma portuguesa definitiva: Referências bibliográficas, Direcção Geral da Qualidade, 1966

PEREIRA, Alexandre e Poupa, Carlos, Como Escrever uma Tese, Monografia ou Livro Científico usando o Word, 2ª Edição, Lisboa, Edições Sílabo, 2003.

POIRIER, J.; CLAPIER-VALLADON, S.; RAYBAUT, P., Histórias de vida —Teoria e prática, Oeiras, Celta, 1995

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L., Manual de Investigação em Ciências Sociais, Lisboa, Gradiva, 1992

ROMERO, Andrés, Metodologia de Análise de Conteúdo, Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, 1991.

SILVA, Augusto Santos e PINTO, José Madureira (org.), Metodologia das Ciências Sociais,Porto, Edições Afrontamento, 11ª edição, 2001

SUSSAMS, John E., Como fazer um relatório, 2ª edição (1ª edição 1987), Lisboa, Editorial Presença, 1990

TEIXEIRA, Luís Filipe B., Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta-Edições e Comunicação, Lda, 2004

TEIXEIRA, Luís Filipe B., Obras de António Mora, de Fernando Pessoa: Edição e Estudo, edição crítica dos textos de António Mora-Fernando Pessoa transcritos, organizados e anotados por Luís Filipe B. Teixeira, edição integrada nas Obras Completas de Fernando Pessoa, no âmbito da Equipa Pessoa, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, col. «Série Maior» , 2002

TIMBAL-DUCLAUX, L., Savoir écrire dans l’entreprise, Paris, Ed. Retz, 1992 (existe tradução portuguesa)

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License