Ensino/Cursos » Mestrado

Narrativas Interactivas e Videojogos (Módulo)

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias - Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias da Informação

2º Ciclo Mestrado em Produção e Criação em Artes Tecnológicas (1º semestre/2007-2008)

Resumo

Panorama geral em torno da alteração de paradigma do oral para o escrito e, deste, para o(s) regime(s) de imagem(ns). A emergência da noção de «texto» por referência à de «máquina». A emergência dos estudos sobre os videojogos no contexto do estudo das narrativas clássicas (orais,literárias e fílmicas).Uma visão geral deste campo científico, envolvendo as dimensões sociais e industriais/comerciais, por referência à sua componente de «criação em arte(s) tecnológica(s)».

Metodologia

Em forma de «MasterClass», as sessões serão, essencialmente, expositivas, embora englobando uma componente prática de «estudos de caso», nomeadamente, nas áreas da Game Art/Software Art.

Conteúdos programáticos

Número: 01.

Tipo: Teórica-Práctica

Introdução à Cultura Ludológica/Game Studies

A emergência dos estudos ludológicos/Game Studies no contexto científico, quer da Cultura, quer dos estudos de (Novos) Média, quer ainda do desenvolvimento das outras «indústrias do digital» e do próprio hibridismo de média.Porquê estudar os videojogos?Qual o campo de estudos da ludologia?(sobre o objecto e a(s) metodologia(s)).Os videojogos como «novo média»

Número: 02

Tipo: Teórico-Prática

O problema da(s) narratividade(s) por relação com o(s) conceito(s) de «jogabilidade» e de «simulação».Videojogos como Arte ou «Arte» dos Videojogos.

 Número: 03

Tipo: Teórico-Prática

Apresentação e discussão de «estudos de caso» (essencialmente, sobre Game Art e Software Art.)

Bibliografia

Working Papers

(ver «Geral» TEIXEIRA, Luís Filipe B.)

Broeckmann, Andreas, Runtime Art: Software, Art, Aesthetics

Ligações (a visitar):

1)ZKM  http://www.medienkunstnetz.de/themen/generative_tools/
(contem bastante informaçao sobre o tema, com ligações às obras)

2) Journal of Media Practice: www.intellectbooks.co.uk/journalissues.php?issn=14682753&v=7&i=1

www.intellectbooks.co.uk/journalissues.php?issn=14682753&v= 7&i=1

3) Susigames: http://www.susigames.com/sgcontent.php?p=0&lang=en <http://www.susigames.com/sgcontent.php?p=0&#9001;=en>

4) Gamescenes: Art in the age of videogames: http://www.gamescenes.org/

5) Festival Transmediale de Berlin tem um prémio só para Software Art, portanto na web deles podemos encontrar as obras que foram premiadas nos anos anteriores, muitas delas de game art. http://www.transmediale.de/site/

Geral

AARSETH, Espen (2004), «Genre trouble:Narrativism and the art of simulation», in Noah Wardrip-Fruin and Pat Harrigan; First Person:New media as story, performance, and game, Cambridge, Massachusetts, London, England, MIT Press, pp. 45-54

AARSETH, Espen (2001), «Computer Games Studies:Year One», in Gamestudies: the international journal of computer game research,  nº 1, Julho, Editorial (www.gamestudies.org/0101/editorial.html)

AARSETH, Espen (1998), «Aporia and epiphany in Doom and The Speaking Clock:Temporality in ergodic art», in Marie-Laure Ryan (ed.), Cyberspace Textuality:Computer technology and literary theory, Bloomington University of Indian Press, pp.

AARSETH, Espen (1994), «Nonlinearity and literary theory», in George Landow (ed.), Hyper/Text/Theory, Baltimore, Johns Hopkins University Press

BAUDRILLARD, Jean, Simulacros e simulação, Lisboa, Relógio d’Água,1991

CAILLOIS, Roger, Os jogos e os homens: A máscara e a vertigem, Lisboa, Cotovia, 1990

CLARKE, Andy, MITCHELL, Grethe, Videogames and Art, March 2007

FRASCA, Gonzalo, 2003a, Ludologists love stories, too: notes from a debate that never took place» (http://ludology.org/articles/Frasca_LevelUp2003.pdf)

FRASCA, Gonzalo, 2003b, Simulation versus narrative: Introduction to ludology, in Mark J.P. Wolf and Bernard Perron,  Video/Game/Theory, Routledge, 221-235

(http://ludology.org/articles/VGT_final.pdf)

FRASCA, Gonzalo, 2001, Videogames of the oppressed – videogames as a mean for critical thinking and debate (www.ludology.org/articles/thesis/)

FRASCA, Gonzalo, 1998, Ludology meets Narratology: Similitude and differences between (video)games and narrative, Parnasso 3, Helsínquia, 365-371

(www.ludology.org/articles/ludology.htm)

HERZ, J.C., 1997, Joystick nation:How videogames ate our quarters, won our hearts, and rewired our minds, London, Little Brown and Company,

HUIZINGA, J.C., Homo Ludens: Essai sur la fonction social du jeu, Paris, Gallimard, 1951 KERCKHOVE, Derrick de, A pele da cultura: Uma investigação sobre a realidade electrónica, Lisboa, Relógio d’Água, 1997

KING, Geoff & KRZYWINSKA, Tanya, 2006, Tom Raiders and Space Invaders: Videogame Forms and Context, NY, I.B. Tauris

KONZAC, Lars, 2002, Computer Game Criticism:A Method for computer game analysis,89

http://imv.au.dk/~konzack/tampere2002.pdf

 

 

LAUREL, Brenda, 1991, Computer as theatre, London, Addison Wesley (6ª ed. 1998)

LE DIBERDIER, Alain e Fréderic, Qui a peur des jeux vidéo?, Paris, La Découverte, 1993

LÉVY, Pierre, O que é o virtual?, Coimbra, Quarteto, 2001

JUUL, Jesper, 2000, What computer games can and can’t do, paper presented at the Digital Arts and Culture, Bergen,August,2-4 www.jesperjuul.dk/text/wcgcacd.html

JUUL, Jesper ,1999, A clash between game and narrative, M.A. thesis, University of Copenhagen, Denmark (www.jesperjuul.dk/thesis)

MANOVICH, Lev, 2001, The language of new media, Cambridge, MIT Press

MAYRA, Frans 2006, A moment in the life of a generation, in Games and Culture, Volume 1,  Number 1, January

MCLUHAN, Marshall, Understanding the media, New York, McGraw-Hill, 1964

MIRZOEFF, Nicholas, An introduction to visual culture, London and New York, Routledge, 2000 (reed.)

MURRAY, Janet, 1997, Hamlet on holodeck:The future of narrative in cyberspace, Cambridge, MIT Press

MYERS, David, 2006, Signs, Symbols, Games, and Play, Games and Cultures, vol. 1, number 1, Jan.: 47-51

MYERS, David, 2005, The aesthetics of anti-aesthetics, in R.Klevjer (ed.), Aesthetics of Play, Conference Proceedings (online), Bergen, Norway, University of Bergen

MYERS, David, 2004, The anti-poetic: Interactivity, immersion, and other semiotic functions of digital play, in A. Clarke (ed.), COSIGN2004

MYERS, David, 2003, The nature of computer games:Play as semiosis,  www.loyno.edu/%7Edmyers/pdf_temp/

MYERS, David, 1999a, Simulation, gaming, and the simulative, Simulation & Gaming, 30: 482-489

MYERS, David, 1999b, Simulation as Play: A semiotic analysis, Simulation & Gaming, 30: 147-162

MYERS, David, 1992a, Simulating the Self, Play & Culture, 5: 420-440

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2007a, (Vídeo)Game Phenomenology: Game instinct vs games of the imaginary or prolegomena to a (quest) simulating theory (no prelo)

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2007b, Simulação ergódica vs Ficção narrativa, in Revista Caleidoscópio Lisboa, Edições Universitárias Lusófonas (no prelo)

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2005, Comunicação e Ludicidade, texto de apresentação da mesa temática sobre «Comunicação e Ludicidade» (em co-autoria com Conceição Lopes)(Univ. de Aveiro, Out. 2005) www.luisfilipeteixeira.com/ensaios.php?cat=3&ensaio=12

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2004a, Hermes ou a experiência da mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta, (sobretudo, capítulo IV: «Prolegómenos a uma teoria ludológica», 155-192)

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2004b, Ludologia (jogo #1/nível #2) Em torno da fenomenologia do jogo cerimonial: Do lúdico categoria operatória do sagrado, in Caleidoscópio nº 4, sobre Cultura de jogos, 2004 (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta, 2004, 187-192)  www.luisfilipeteixeira.com/ensaios.php?cat=3&ensaio=24

TEIXEIRA. Luís Filipe B., 2003a, Ludologia.(Jogo #1/Nível #1):Do instinto de jogo aos jogos do imaginário» in Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho,2003, pp.163-179. (reedição em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta, 2004, 157-174)

 www.luisfilipeteixeira.com/ensaios.php?cat=3&ensaio=13

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 2003b, Ludologia (Jogo #2/Nível #1).Retrato do Mesmo (Homem) enquanto Outro:Breves notas sobre (ciber)simulações lúdicas, in www.ciberscopio.net (secção cibersimulação), Coimbra capital da cultura, Out. de 2003 (reed. em Hermes ou a Experiência da Mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta,2004,175-185) www.luisfilipeteixeira.com/ensaios.php?cat=3&ensaio=14

TEIXEIRA, Luís Filipe B., (org.), 2003c, Cultura de jogos, revista Caleidoscópio, nº 4, Lisboa, Edições Universitárias Lusófonas

TEIXEIRA, Luís Filipe B., 1992, O nascimento do Homem em Pessoa:A heteronímia como jogo da demiurgia divina, Lisboa, Cosmos, sobretudo 59-64

TURKLE, Sherry,1989,O Segundo Eu:Os computadores eo espírito humano, Lisboa, Presença, (orig. 1984)

TURKLE, Sherry, 1997, A vida no ecrã:A identidade na Era da internet, Lisbooa, Relógio d’Água, (orig. 1995)

WARDRIP-FRUIN, Noah and HARRIGAN, Pat (ed.) 2004, First Person:New media as Story, Performance and game, Cambridge, MIT Press

ZIMMERMAN, Eric, 2004a, Narrative, Interactivity, Play and games:Four naughty concepts in need discipline, in Noah Wardrip-Fruin and Pat Harrigan; First Person:New media as story, performance, and game, Cambridge, Massachusetts, London, England, MIT Press, 154-164

ZIMMERMANN, Eric and SALEN, Katie, 2004b, Rules of Play: Game Design Fundamentals, MIT Press

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License