Ensino/Cursos » Licenciatura

Cibercultura

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

ECATI-Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias da Informação

Licenciatura em Ciências da Comunicação e da Cultura

Tipologia: Teórica-Prática; 2º semestre (área de GAC); 6 ECTS

Competências:

O aluno fica habilitado a identificar os conceitos que estão na base da compreensão dos fenómenos culturais da actualidade. É capaz de produzir um juízo crítico sobre a contemporaneidade. É capaz de identificar de que modo os novos meios tecnológicos da informação e da comunicação estão a alterar profundamente a forma como o mundo é constituído teoricamente. É capaz de se orientar e produzir investigação nos domínios da cultura, das artes e das tecnologias. É capaz de manter uma acção dirigida no ciberespaço.

Avaliação:

Frequência escrita (valendo 2/3 da nota final) e um ensaio científico (valendo 1/3 da nota final).

Programa:

I. Introdução:
1.1. A questão da técnica como via crucial para interrogar a cultura contemporânea
1.2. Da cultura à cibercultura
1.3. É a cibercultura um «pós-modernismo»?

II. Breve panorâmica das teorias contemporâneas da cibercultura
2.1. O carácter fragmentário das teorias da cibercultura
2.2. Marshall McLuhan e as origens da cibercultura
2.3. A galáxia mcluhaniana da cibercultura (Virilio, Zizek, Baudrillard, Kittler, Haraway, Shaviro, Dery, Lévy)

III. Mapeamento da cibercultura contemporânea
3.1. Duplos, Imagens e nova espectrografia
3.2. Tempo, Velocidade e instantaneidade
3.3. Mutação topológica: da emergência do ciberespaço
3.4. Realidade, Simulacro e virtual
3.5. Corpo, cyborg e subjectividade
3.6. Ligações: Paixões, adiction, jogo
3.7. A tecnologização da memória: arquivos e data bases
3.8. Artes tecnológicas: interactividade e hibridação
3.9. Da transpolítica: Cidade Virtual, Globalização e controlo.

Bibliografia

A.A.V.V. ( 1993) - Essays in post-modern culture, New York, Oxford university Press.

A.A.V.V. (1991) - Digital dialogues nº2 - photography in the age of cyberspace, Texas, Photoeye books.

A.A.V.V. (1996) - Techno science and cyberculture, London, Routledge.


A.A.V.V. (1998) - Transit lounge, Australia, Craftsman House.


AA VV (1989) - Videoculture di Fine Secolo, Napoli, Liguori Editore, 1989.


AA VV (ed. Pier Luigi Capucci) (1994) - Il corpo tecnológico, Bologna, Baskerville.


BELL, Davidd & KENNEDY,Barbara M. (orgs) - The Cybercultures Reader, N.Y. Routledge, 2000.

Benjamin, Walter (2006:orig. 1938), «A obra de arte na época da sua possibilidade de reprodução técnica», in A modernidade, edição e tradução João Barrento, Lisboa: Assírio e Alvim, pp. 207-241

BUSH, Vannevar (1945), «As we may think» in Atlantic Monthly, July 1945

BUTLER,Samuel, , ‘The Book of the Machines’ in Erewhon (1872) (chs. 23-5)

COPELAND, Jack (1993) - Artificial Inteligence - a philosophical introduction, London, Basil Blackwell.

DERY, Mark (1996) - Escape Velocity. Cyberculture at the End of the Century, New York, Grove Press.

DICK, Philip K. (1968), Do Androids Dream of Electric Sheep?

ENGELBART, Douglas (1962)  ‘Augmenting Human Intellect: A Conceptual Framework’

FELINTO, Erick, «Sem mapas para esses territórios: A Cibercultura como campo de conhecimento», in Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Santos – 29 de agosto a 2 de setembro de 2007

GIBSON, William (1999) - All Tomorrow's Parties, Londres, Viking Press, 2000.

KITTLER, Friedrich A. - Essays. Literature, Media, Information Systems, edited and introduced by John Johnston, Amesterdão, O.P.A., 1997.


KRAUSS, Lawrence M. (1995) - A Física de Jornada das estrelas (or. The Physiscs of Star Trek), São Paulo, Makron Books, 1997.


KUHN, Annette (Org.) - Alien Zone II. The Spaces of Science Fiction Cinema, Londres, Verso, 1999.

LA METTRIE, Julian Offray de (1748), «Man a Machine»
 
LICKLIDER, J. C. R. (1960) ‘Man-Computer Symbiosis
 
MACEK, Jakub (2005), «Defining Cyberculture (v.2)», translated by Monika Metyková and Jakub Macek) (The original Czech version is available in Média a realita (ed. by Binková, P. – Volek, J., Masaryk University Press, 2004))
 
MARINETTI, F.T. (1909) ‘The Futurist Manifesto
 
MANOVICH,. Lev (2003), «New Media from Borges to HTML», in Noah Wardrip-Fruin and Nick Monfort (edit by), The New Media reader: MIT Press:13-25
 
MCLUHAN, Marshall, A galáxia de Gutenberg: A formação do homem tipográfico, tradução de Leónidas G. de Carvalho e Anísio Teixeira, 2ª edição, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977
 
MCLUHAN, Marshall, Understanding the media, New York, McGraw-Hill, 1964

MCQUIRE, Scott (1998) - Visions of Modernity. Representation, Memory, Time and Space in the Age of the Camera, London, Sage.

MIRANDA, José Bragança de, «Elementos para uma genealogia das ligações»

MORSE, Margaret (1998) - Virtualities. Television, Media Art, and Cyberculture, loomington, Indiana U.P.

PLANT, Sadie (1997) - Ceros+unos - mujeres digitales et la nueva tecnocultura, Barcelona, Ediciones destino.

ROSA, Jorge Martins, «Before and after Cyber»

ROSS, Andrew (1991) - Stranger Weather-Culture, Science, and Technology in the Age of Limits, London, Ed.Verso, 1996

TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2010), «Cibercultura: As figurações maquínicas do Humano» (working paper)

TEIXEIRA, Luís Filipe B,. (2008), «Ludologia e Novos Média: O «estado da Arte» ou «2001:Odisseia...» ludológica», in Anuário Lusófono de Ciências ds Comunicação, Lisboa, LUSOCOM-Federação Lusófona de Ciências da Comunicação/Campo das Letras, 2008, pp. 279-293

TEIXEIRA, Luís Filipe B. (2004), Hermes ou a experiência da mediação (Comunicação, Cultura e Tecnologias), Lisboa, Pedra de Roseta

TURING, Ian (1950) ‘Computing Machinery and Intelligence

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License