Ensino/Cursos » Licenciatura

Metodologias de Análise do Texto e do Discurso

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Licenciatura em Comunicação nas Organizações
Ano lectivo 2004/05
1o Ano — 2º Semestre

Professor Doutor Luís Filipe B. Teixeira
Dra. Carla Rodrigues Cardoso

Sinopse

Esta cadeira pretende, a partir duma problematização preambular dos próprios conceitos de «metodologia» e de «análise», atingir os seguintes objectivos, a saber:
a) uma abordagem textológica por referência à constituição do «círculo hermenêutico» e a uma sua (re)formulação com base numa perspectivação da noção de «autor/sujeito hermenêutico» e de «crítica» (versus «crítico»);
b) A noção de «texto» por relação com as tentativas de se superar a distinção entre «compreensão/explicação»;
c) Os conceitos de discurso, enunciado, texto e análise textual;
d) O contacto, exercitado, com a análise de um mesmo tema (o mito de Édipo) visto sob várias perspectivas;
e) Destrinçar a análise da narrativa em Publicidade.

Avaliação

A nota final de Metodologias de Análise do Texto e do Discurso resultará de uma média ponderada entre dois momentos de avaliação — a frequência (70%) e a componente prática (30%). Os alunos com média igual ou superior a 12 (doze) estão dispensados de Exame Final. Os que obtenham nota igual ou superior a 8 (oito) valores e inferior a 12 (doze) valores têm acesso ao Exame de 1ª Época. Alunos com média final inferior a 8 (oito) valores só poderão ser avaliados em Exame de 2ª Época.
Nesta disciplina teórico-prática existe regime de faltas. Os alunos que ultrapassem os 25% de faltas no semestre ficam automaticamente reprovados, tendo acesso apenas ao Exame de 2ª Época.

Programa

Preâmbulo: Os conceitos de «Metodologia» e de «Análise»

Parte I: Do sujeito hermenêutico ao texto discursivo

1. O Sujeito como Instância Hermenêutica

1.1. Hermes, hermeios, hermeneia, hermeneuein
1.2. Sujeito da Interpretação: o que é «interpretar»?
1.3. O Leitor e a Interpretação.
1.4. A interpretação como exercício lúdico: interpretação/expressão.
1.5. A noção de «crítica»: crítica e comentário.

2. Do Texto à Dialéctica Interpretativa: Discurso, Enunciado e Texto

2.1. O que é um TEXTO?
a) A Escrita e a Re-escrita ou a leitura como trabalho significante
b) Escrita: Progresso ou Veneno?

2.2. Qual é o TEXTO?
a) Tipos e Géneros de Discursos: Texto Fechado e Texto Aberto
b) O Paradoxo Temporal da Narrativa de Ficção
c) A Narrativa como Transformação
d) Finalidades da Narração

2.3. Análise textual
a) Análise estrutural versus análise simbólica da narrativa
b) A Semiótica versus a Hermenêutica da Narrativa
c) O mito como sistema semiológico
d) O mito como sistema simbólico

Parte II: Casos práticos

A ) Um mesmo tema com variações: o mito de Édipo

1. Freud e o paradigma psicanalítico
2. A determinação do texto no formalismo russo: V. Propp e a análise dos contos populares
3. A perspectiva estruturalista: Lévi-Strauss e a análise dos Mitos

B ) Análise de narrativa em Publicidade


Bibliografia

AA. VV., Encyclopaedia Universalis, «Herméneutique», vol. 8, Paris (1968) 1973, pp. 365-366; «Interprétation», vol 9, Paris (1968) 1973, pp.30-31.

ADAM, Jean-Michel e Revaz, Françoise, A Análise da Narrativa, (“Memo”), Lisboa, Gradiva, 1997.

ARISTÓTELES, Poética, 2ª ed., Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1990.

BARTHES, Roland, Mitologias, Lisboa, Edições 70, s.d.
• O Prazer do Texto, Lisboa, Edições 70, 1973.
• Ensaios Críticos, Lisboa, Edições 70, 1977 [«As Duas Críticas», pp. 339-346; «O que é a Crítica?», pp. 347-354].
• O Rumor da Língua, Lisboa, Edições 70, 1984 [cap. II «Da Obra ao Texto», pp. 47-84].
• O Óbvio e o Obtuso, Lisboa, Edições 70, 1984 [cap. I «A Escrita do Visível», pp. 13-198].
• A Aventura Semiológica, Lisboa, Edições 70, 1987 [«A Análise Estrutural da Narrativa», pp. 203-265].
• Crítica e Verdade, Lisboa, Edições 70, 1987 [«A Crise do Comentário», pp. 46-49; «A Língua Plural» pp. 49-55; «A Crítica», pp. 62-73].
• Lição, Lisboa, Edições 70, 1988.
• O Grau Zero da Escrita, Lisboa, Edições 70, 1989.

BELSEY, Catherine, A Prática Crítica, Lisboa, Edições 70, 1982.

BENJAMIN, Walter, Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, Lisboa, Relógio d’Água, 1992 [«O Narrador», pp. 27-57; «O Autor enquanto Produtor», pp. 137-156].

ECO, Umberto, Leitura do Texto Literário – Lector in Fabula, Lisboa, Presença, 1983 [«O Leitor Modelo», pp. 53-70].
• Conceito de Texto, São Paulo, I.A. Queiroz, 1984.
• «Sobreinterpretação dos Textos», in COLLINI, Stefan (dir.), Interpretação e Sobreinterpretação, Lisboa, Presença, 1993, pp. 46-61.
• «Entre Autor e Texto», in COLLINI, Stefan (dir.), Interpretação e Sobreinterpretação, Lisboa, Presença, 1993, pp. 63-80.

ELIOT, T.S., «Criticar o Crítico» in Ensaios Escolhidos, Lisboa, Cotovia, 1992, pp. 233-246.

EVERAERT-DESDMET, Nicole, Semiótica da Narrativa — Método e Aplicações, Coimbra, Livraria Almedina, 1984.

FOUCAULT, Michel, Nietzsche Freud e Marx, Lisboa, Rés, 1975.
• As Palavras e as Coisas, Lisboa, Edições 70, 1988 [«As Quatro Similutudes», pp. 73-85; «A Escrita das Coisas», pp. 90-99; «Crítica e Comentário», pp. 131-145].
• L’ Ordre et le Discours (leçon inaugurale ai Collège de France prononcée le 2 décembre 1970), Paris, Gallimard, 1989.
• O que é um Autor?, Lisboa, Vega, 1992.

GADAMER, «Le Problème Herméneutique» in Archives de Philosophie, 33, 1970, pp. 3-27.

GREIMAS, A. J., Semântica Estrutural — Pesquisa de Método, São Paulo, Editora Cultrix, s.d.

GUSDORF, Georges, A Palavra, Lisboa, Edições 70, 1995 [«Comunicação», pp. 55-60; «Expressão», pp. 61-67; «A Autenticidade da Comunicação», pp. 69-85].

LÉVI-SRAUSS, Claude, Anthropologie Structurale, 2 vols., Paris, Plon, 1973 e 1974 [vol. I, chap. XI «La Structure des Mythes», pp. 227-255; vol II, chap. «La Structure et la Forme: Réflexions sur un Ouvrage de Vladimir Propp», pp. 139-173].

LOURENÇO, Eduardo, «Da Criação como Crítica à Crítica como Criação» in O Canto do Signo Existência e Literatura, Lisboa, Presença, 1994, pp. 70-72.

MAINGUENEAU, Dominique, Analyser les Textes de Communication, Paris, Dunod, 1998.

PLATÃO, Crátilo: Diálogo sobre a Justeza dos Nomes, Lisboa, Sá da Costa, s.d.

PLATÃO, Górgias, O Banquete, Fedro, (“Biblioteca Integral Verbo”), Lisboa, Verbo, 1973.

PROPP, Vladimir, Morfologia do Conto, Lisboa, Veja, s.d. [«História do Problema», pp. 37-56; «Método e Matéria», pp. 56-63].
• «As Transformações dos Contos Fantásticos» in Teoria da Literatura, vol. II, Lisboa, Edições 70, 1989, pp. 109-137.
• Édipo à Luz do Folclore – Quatro Estudos de Etnografia Histórico-Cultural), Lisboa, Vega, s.d. [«Édipo à Luz do Folclore», pp. 115-175].

RICOUER, Paul, De L’Interprétation. Essai sur Freud, Paris, Seuil, 1965.
• Hermeneutic and Human Sciences, John Thomson (org. e trad.), Cambridge, Cambridge Univ. Press, 1981, Do Texto à Acção: Ensaios de Hermenêutica II, Porto, Rés, s.d. [«O Que é um Texto?», pp. 141-162; «Explicar e Compreender», pp. 163-183; «O Modelo do Texto: A Acção Sensata Considerada como um Texto», pp. 185-212.
• Teoria da Interpretação, Lisboa, Edições 70, 1987, «Explicação e Compreensão», pp. 83-99].

RODRIGUES, Adriano Duarte, Comunicação e Cultura — A Experiência Cultural na Era da Informação, (“Biblioteca de Textos Universitários”), Lisboa, Editorial Presença, 1991.

RODRIGUES, Adriano Duarte, Introdução à Semiótica, Lisboa, Editorial Presença, 1994.

SCHOLES, Robert, Protocolos de Leitura, Lisboa, Edições 70, 1991.

STEINER, George, Depois de Babel: Aspectos da linguagem e tradução, Lisboa, Relógio d’Água, 2002 [sobretudo: cap. 1: «Compreender é traduzir», pp.25-77; e cap. V: «O movimento hermenêutico», pp. 335-465]

TEIXEIRA, Luís Filipe B., Obras de António Mora, de Fernando Pessoa: Edição e Estudo, edição crítica dos textos de António Mora-Fernando Pessoa transcritos, organizados e anotados por Luís Filipe B. Teixeira, edição integrada nas Obras Completas de Fernando Pessoa, no âmbito da Equipa Pessoa, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, col. «Série Maior» , 2002 [Introdução]

«Figur@ções maquínicas da Escrita 2.0: Alfabetos, ars combinatoria e hipertexto» (texto-base da comunicação ao ICNC2001-Congresso Internacional sobre as Redes, Comunicação e Linguagens, orgão do CECL-Centro de Estudos Comunicação e Linguagens, número especial sobre este Congresso, 2002, pp. 401-408

«Figur@ções maquínicas da Escrita 1.0: Em torno da Palavra digital e da Escrita Topográfica» (texto-base da comunicação ao I Congresso Ibérico de Ciências da Comunicação, Revista Caleidoscópio, revista do Departamento de Ciências da Comunicação e da Informação da ULHT-Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Edições Lusófonas, 2001, pp.43-57

«Edição Crítica, hipertexto e biblioteca electrónica: Dêem um modem a Fernando Pessoa», in Imagens e Reflexões: Actas da II semana internacional do Audiovisual e Multimédia, Lisboa, Edições Lusófonas, colecção «Estudos de Comunicação, Cultura e Tecnologia, nº 4, 1999, pp. 106-110.

— «Filologia vs Filosofia», in Pensar Pessoa: A dimensão filosófica e hermética da obra de Fernando Pessoa, Porto, col. «O mocho de papel», Lello & Irmão,1997, pp.177-193.

O nascimento do Homem em Pessoa: A heteronímia como jogo da demiurgia divina, Lisboa, col. «Cosmovisões», Edições Cosmos, 1992 [II.1. «O trágico pessoano: Da consciência agónica ao jogo do desassossego», pp. 59-72]

VAN SCHOOR, Marthinus, What is Communication?, Pretória, J. L. Van Schaik, 1982.

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License