Ensino/Cursos » Licenciatura

Teorias da Cultura

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Licenciatura em Ciências da Comunicação e da Cultura
Teorias da Cultura

Docente: Prof. Doutor Luís Filipe B. Teixeira
(Semestral: 1996-2000)

Sinopse

Esta cadeira pretende articular, de modo problematizante e crítico, a experiência da nossa contemporaneidade com os vectores transdisciplinares constitutivos de uma Teoria da Cultura. Neste sentido, esta disciplina introduz às principais abordagens da problemática da Cultura Moderna. desenvolvendo-se nos seguintes parâmetros: a) Uma problematização do historial do conceito de Cultura; b) as principais perspectivas de uma Teoria da Cultura (T.S. Eliot, G. Simmel, E. Cassirer, W. Benjamin, etc.); c) os vários tipos de questões que giram em torno de uma Teoria da Cultura e o exercitar do olhar para a peculiaridade de certos fenómenos.

Avaliação

À semelhança do sistema de avaliações nas cadeiras teóricas, a avaliação na cadeira de Teorias da Cultura consta de uma frequência escrita e de um exame. Todos os alunos têm direito a exame de primeira época com nota de frequência inferior a 12 (doze) valores, desde que tenham sido avaliados em regime de avaliação contínua (frequência).
Programa

I. Da Cultura como Problema ao problema da Cultura
Introdução
I.1. Problemas Metodológicos das Teorias da Cultura.
I.2. Cultura História e Modernidade;

II. Uma problematização do historial do conceito de «Teoria(s) da Cultura»
II.1. A constituição da Cultura
II.2. «Cultura agri» versus «Cultura animi» (Cícero e Horácio)
II.3. A noção grega de «Paideia»
II.4. Do Renascimento à matriz iluminista e o irromper da noção de «processo civilizacional»
II.5. O quadro romântico: A noção germânica de «Bildung» e o conceito de «Formação».
II.6. A dinâmica Natureza/Cultura: Espelhos que se auto-reflectem?
II.7. Jano e o horizonte bicéfalo: Cultura versus Civilização
II.8. O panorama de emergência das «Ciências da Cultura» face ao seu carácter paradoxal.

III. Especificação de algumas categorias operatórias:
III.1. Cultura e Experiência: Da cultura da experiência à experiência da Cultura
III.2. Cultura e Modernidade (Simmel)
III.3. O espectáculo da Cultura (Debord)
III.4. E Prometeu criou os homens (Tradição versus Progresso)
III.5. Mas Pandora tinha uma caixa : Da Tentação ao Castigo (a questão técnica)
Introdução: O paradigma técnico como matriz de reflexão sobre a Cultura Contemporânea
III.5.1. «Téchnê» versus «Poiésis»
III.5.2. O Homem e a técnica (Spengler)
III.5.3. Técnica, Arte e Cultura (Benjamin)
III.5.4. Técnica, Mediação e Cultura (McLuhan)
III.5.5. Memória e técnica: arquivo e databases

IV.Uma Teoria da Cultura hoje? Os vários tipos de questões que giram em torno de uma Teoria da Cultura e o exercitar do olhar para a peculiaridade de certos fenómenos.

Bibliografia

A lista aqui apresentada constitui a espinha dorsal do programa da cadeira, constituindo a bibliografia básica em que se fundamenta cada um dos módulos temáticos abordados. No decorrer do curso serão indicados outros textos (alguns deles, de comentário nas aulas) que perspectivem um aprofundamento de algumas matérias leccionadas.

AGAMBEN, Giorgio, A comunidade que vem, tradução de António Guerreiro, Lisboa, Presença, 1993.

ARENDT, Hanna, La crise de la culture: Huit exercices de pensée politique, tradução do inglês sob a direcção de Patrick Lévy, Paris, Gallimard, 1972 (Capítulo I: «La tradition et l’âge moderne», p. 28-57; e capítulo VI: « La crise de la culture: sa portée sociale et politique», p. 253-288).

BAUDELAIRE, Charles, O pintor da vida moderna, tradução e posfácio de Teresa Cruz, col. «Passagens», Lisboa, Vega, s.d.

BAUDRILLARD, Jean, Simulacros e Simulações, tradução de Maria João da Costa Pereira, Lisboa, Relógio d’Água, 199.

BENETON, Philippe, Histoire de mots: Culture et Civilisation, Paris, Presses de la Fondation Nationale des Sciences Politiques, 1975.

BENJAMIN, Walter, «A Obra de Arte na Era da sua Reprodutibilidade Técnica», in Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, tradução de Maria Luz Moita, Lisboa, Relógio d’Água, 1992, p. 71-113.

CASSIRER, Ernst, «The “Tragedy of Culture”», in The logic of the humanities, tradução de Clarence Smith Howe, New Haven and London, Yale University Press, 1966, p. 182-217 (tradução espanhola de Wenceslao Roces in Las Ciencias de la Cultura, México, Fondo de Cultura Económica, 1972, p. 155-191).

DEBORD, Guy, A sociedade do espectáculo, tradutores Francisco Alves e Afonso Monteiro, Lisboa, Edições mobilis in mobile, 1991.

— «Comentários sobre A Sociedade do Espectáculo», in Comentários sobre a Sociedade do Espectáculo/ Prefácio à quarta edição italiana de “A sociedade do Espectáculo”, tradução de Fernando Silva e Edmundo Calado, Lisboa, Edições mobilis in mobile, 1995, p.7-107.

ELIOT, T.S., Notas para a definição de Cultura, tradução de Ernesto Sampaio, Lisboa, Século XXI, 1996.

GOMBRICH, E.H., Para uma história cultural, tradução Maria Carvalho, Lisboa, Gradiva, 1994.

MIRANDA, José Bragança de, «Discurso e Modernidade», in Analítica da actualidade, , Lisboa, Vega, 1994, p. 169-215.

PERNIOLA, Mario, Do sentir, tradução de António Guerreiro, Lisboa, Presença, 1993.

SIMMEL, Georg, La tragédie de la culture, tradução do alemão por Sabine Corneille et Philippe Ivernel, précédé d’un essai de Vladimir Jankélévitch, Paris, Rivages/Petite Bibliothèque, 1993 [sobretudo «Le concept et la tragédie de la culture», p. 179-217]

SPENGLER, Oswald, L’Homme et la technique, tradução de Anatole A. Petrowsky, Paris, Gallimard, 1969 (trad. port. de João Botelho, Lisboa, Guimarães, 1980).

STEINER, George, No castelo do Barba Azul: Alguma notas para a redefinição da Cultura, tradução de Miguel Serras Pereira, Lisboa, Relógio d’Água, 1992.

voltar


Enviar    Imprimir

Copyright © 2017 | Luis Filipe B. Teixeira
powered by: CANALPT
Creative Commons License